CESPE – STJ/2004 – Base de dados


128 – Correto= Rowley afirma na página 125 que: “Uma base de dados é uma coleção geral e integrada de dados junto com a descrição deles, gerenciada de forma a atender a diferentes necessidades de seus usuários”, na página 107 que “Arquivo é uma coleção de registros similares, com relações definidas entre si. Um sistema de base de dados pode compreender vários arquivos interligados.” Alguém sabe/conhece outra fonte que confirme a questão?
129 – Correto= igual ao citado pela autora na página 107.
130 – Errado= Segundo Rowley: “As base de dados de fontes contêm os dados originais e constituem um tipo de documento eletrônico.”
131 – Errado= “Base de dados referenciais, que referenciam informações ou dados, como nomes e endereços de instituições, e outros dados típicos de cadastros”. O DIALOG foi o primeiro sistema de recuperação de informações usado globalmente, pertence desde 2008 à empresa ProQuest. Atualmente conta com 900 bases de dados abrangendo artigos técnicos, notícias, conferências e a maior coleção de bases de patentes (dados da empresa).
132 – Errado= O MARC (Machine Readable Cataloging) e o CCF (Common Communication Format) são ferramentas para comunicação de dados bibliográficos entre máquinas (a grosso modo), eles constituem a implementação da norma ISO 2709*.
* “A norma ISO 2709 – Documentation Format for Bibliographic Interchange on Magnetic Tape foi desenvolvida pelo Comitê Técnico ISO/TC 46, Informação e Documentação, Subcomitê SC 4, Aplicativos de computador na informação e documentação, da International Organization for Standardization (ISO). Esta norma especifica os requisitos para o formato de intercâmbio de registros bibliográficos que descrevem todas as formas de documentos sujeitos à descrição bibliográfica. Não define a extensão do conteúdo de documentos individuais e nem designa significado algum para os parágrafos, indicadores ou identificadores, sendo essas especificações as funções dos formatos de implementação. A ISO se preocupa em apresentar uma estrutura generalizada, ou seja, um arcabouço projetado especialmente para a comunicação entre sistemas de processamento de dados, e não para uso como formato de processamento dentro dos sistemas.”

Fontes:
CORTE, Adelaide Ramos; ALMEIDA, Iêda Muniz de; PELLEGRINI, Ana Emília et al. Automação de bibliotecas e centros de documentação: o processo de avaliação e seleção de softwares. Ci. Inf., v.28, n.3, p.241-256, set./dez. 1999.
PROQUEST LLC. Dialog. Disponível em: <www.dialogbr.com.br/>. Acesso em: 01 mar. 2012.
ROWLEY, J. A biblioteca eletrônica. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2002.

Contribuiu: L.C.

Anúncios

1 comentário a “CESPE – STJ/2004 – Base de dados”

  1. 128 – Correto= Rowley afirma na página 125 que: “Uma base de dados é uma coleção geral e integrada de dados junto com a descrição deles, gerenciada de forma a atender a diferentes necessidades de seus usuários”, na página 107 que “Arquivo é uma coleção de registros similares, com relações definidas entre si. Um sistema de base de dados pode compreender vários arquivos interligados.” Alguém sabe/conhece outra fonte que confirme a questão?
    129 – Correto= igual ao citado pela autora na página 107.
    130 – Errado= Segundo Rowley: “As base de dados de fontes contêm os dados originais e constituem um tipo de documento eletrônico.”
    131 – Errado= “Base de dados referenciais, que referenciam informações ou dados, como nomes e endereços de instituições, e outros dados típicos de cadastros”. O DIALOG foi o primeiro sistema de recuperação de informações usado globalmente, pertence desde 2008 à empresa ProQuest. Atualmente conta com 900 bases de dados abrangendo artigos técnicos, notícias, conferências e a maior coleção de bases de patentes (dados da empresa).
    132 – Errado= O MARC (Machine Readable Cataloging) e o CCF (Common Communication Format) são ferramentas para comunicação de dados bibliográficos entre máquinas (a grosso modo), eles constituem a implementação da norma ISO 2709*.
    * “A norma ISO 2709 – Documentation Format for Bibliographic Interchange on Magnetic Tape foi desenvolvida pelo Comitê Técnico ISO/TC 46, Informação e Documentação, Subcomitê SC 4, Aplicativos de computador na informação e documentação, da International Organization for Standardization (ISO). Esta norma especifica os requisitos para o formato de intercâmbio de registros bibliográficos que descrevem todas as formas de documentos sujeitos à descrição bibliográfica. Não define a extensão do conteúdo de documentos individuais e nem designa significado algum para os parágrafos, indicadores ou identificadores, sendo essas especificações as funções dos formatos de implementação. A ISO se preocupa em apresentar uma estrutura generalizada, ou seja, um arcabouço projetado especialmente para a comunicação entre sistemas de processamento de dados, e não para uso como formato de processamento dentro dos sistemas.”

    Fontes:
    CORTE, Adelaide Ramos; ALMEIDA, Iêda Muniz de; PELLEGRINI, Ana Emília et al. Automação de bibliotecas e centros de documentação: o processo de avaliação e seleção de softwares. Ci. Inf., v.28, n.3, p.241-256, set./dez. 1999.
    PROQUEST LLC. Dialog. Disponível em: . Acesso em: 01 mar. 2012.
    ROWLEY, J. A biblioteca eletrônica. Brasília, DF: Briquet de Lemos/Livros, 2002.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s